top of page

Rua Arthur Rocha

Atualizado: 24 de jul. de 2023


Localizada na antiga Bacia do Mont'Serrat, hoje apenas Bairro Mont'Serrat, a Rua Arthur Rocha imortaliza o dramaturgo e teatrólogo negro Arthur Rodrigues da Rocha. Datada do início do século XX, foi a primeira via a ser ocupada na região, conforme os registros do cronista Sanhudo (1975, p. 111). Referindo-se às origens do Arraial do Mont'Serrat, Sanhudo relata que a primeira leva de moradores teria ocorrido antes de 1910, ano considerado como o início da ocupação do bairro. Em suas palavras:


O bairro, ou melhor, o arraial, começou realmente com a construção da igreja de Nossa Senhora da Auxiliadora, aí pelo ano de 1910 [...]. Mas é verdade que antes disso já havia moradores aí nesses valões da antiga rua Álvaro Chaves, hoje Arthur Rocha (SANHUDO, 1975, p. 111).


No Mapa de Porto Alegre de 1916, primeira vez que a área do Mont’Serrat aparece em um mapa da cidade, a Rua Arthur Rocha já está nomeada, sendo o limite leste da área (ver mapa no verbete “Bacia do Mont'Serrat”).


Nascido na cidade de Rio Grande, Arthur Rodrigues da Rocha ou, simplesmente, Arthur Rocha, como se autodenominava, teve uma vida breve e uma longa produção intelectual. Filho de José Rodrigues da Rocha e Maria das Dores Rocha, uma família pobre, aos 13 anos muda-se para Porto Alegre para estudar. Em sua breve existência (1859-1888) foi dramaturgo, ator, jornalista, contista e ativista político, produzindo 14 peças teatrais – sete delas publicadas em três volumes intitulados Teatro de Arthur Rocha, conforme levantado por Isabel Silveira dos Santos (2009, p. 56), pesquisadora de sua obra.

Redator dos jornais porto-alegrenses O Mosquito (1874), O Colibri (1877) e A Lente (1877), Arthur Rocha compôs o


distinto grupo de intelectuais negros livres do final do século XIX, que tomaram posições radicais na crítica à sociedade da época e que encontraram na imprensa uma saída para debater os assuntos de interesse público, como a abolição da escravidão. (SANTOS, 2010).


Com brilhante e afirmativa trajetória, Arthur Rocha era amplamente reverenciado pela comunidade negra na virada do século XX. Já falecido, tinha suas peças teatrais encenadas nos salões da Sociedade Floresta Aurora, como parte das comemorações de liberdade, ocorridas nas datas de 28 de setembro e 13 de maio, marcando a Lei do Ventre Livre e a Abolição da Escravidão (ZUBARAN, 2008, p. 176). Em setembro de 1904, a Sociedade Floresta Aurora publica, nas páginas do jornal negro O Exemplo, o convite para as comemorações da “gloriosa data de 28 de setembro”. O grandioso marco fora celebrado com “espetáculo de gala” e encenação da peça A Filha da Escrava “primorosa joia literária da lavra do imortal escritor Arthur Rocha”, conforme anunciado no convite. Ainda em atividade, o Floresta Aurora é o mais antigo clube social negro do país, fundado em 1872, em Porto Alegre/RS.


Olhando a partir desse lugar de destaque a que fora alçado, consideramos que a escolha de Arthur Rocha para nomear o logradouro na Bacia do Mont’Serrat não foi aleatória, mas uma decisão consciente relacionada à vontade de marcar a presença negra naquele espaço a partir de um de seus ícones (VIEIRA, 2021).


Figura 1 – Arthur Rodrigues da Rocha (1859-1888), intelectual negro gaúcho

Fonte: SANTOS (2009, p. 49).


Referências


FRANCO, Sérgio da Costa. Porto Alegre: guia histórico. 4. ed. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2006.


SANHUDO, Ary Veiga. Porto Alegre: crônicas da minha cidade. Porto Alegre: Editora Movimento: Instituto Estadual do Livro, 1975. 2 v.


SANTOS, Isabel Silveira dos. Abram-se as cortinas: Representações étnico-raciais e pedagogias do palco no teatro de Arthur Rocha. 2009. 144 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Luterana do Brasil, Canoas, 2009. Disponível em: https://servicos.ulbra.br/BIBLIO/PPGEDUM103.pdf. Acesso em: 27 mar. 2017.


SANTOS, Isabel Silveira dos. Arthur Rocha: um intelectual negro no “mundo

dos brancos”. In: ENCONTRO ESTADUAL DE HISTÓRIA, X., Santa Maria. Anais [...].Santa Maria: UFSM, 2010. p. 1-16. Disponível em: http://www.eeh2010.anpuh-rs.org.br/resources/anais/9/1279496410_ARQUIVO_ arthurrochaumintelectualnegronomundodosbrancos.pdf. Acesso em: 10 fev. 2015.


VIEIRA, Daniele Machado. Territórios Negros em Porto Alegre/RS (1800-1970): geografia histórica da presença negra no espaço urbano. Belo Horizonte: ANPUR, 2021. Disponível em: https://anpur.org.br/territorios-negros-em-porto-alegre-rs-1800-1970. Acesso em: 25 jan. 2023.


ZUBARAN, Maria Angélica. Comemorações da liberdade: lugares de memórias negras diaspóricas. Anos 90, Porto Alegre, v. 15, n. 27, p. 161-187, jul. 2008. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/anos90/article/viewFile/6743/4045. Acesso em: 6 fev. 2017.

131 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Ilhota

Comentarios

Obtuvo 0 de 5 estrellas.
Aún no hay calificaciones

Agrega una calificación
bottom of page