top of page

Pegada Africana – Museu de Percurso do Negro

Atualizado: 25 de jul. de 2023


A “Pegada” é de autoria de Vinícius Vieira e foi inaugurada em 14 de novembro (dia da traição de Porongos) de 2011. Possui o formato de um pé composto por pedras negras e delineado por uma moldura de aço que mede 300 x 200 cm. A escultura faz alusão, ou melhor, é um mapa do continente Africano, onde os dedos representam os países insulares, Ilhas de Cabo Verde, Ilhas de Comores, República de Maurício, Ilhas de São Tomé e Príncipe e Ilhas Seicheles. Abaixo e ao lado do continente está a Ilha de Madagascar.


Localizado no piso da Praça da Alfândega e posicionado muito próximo ao calçadão em forma de ondas da Rua da Praia (Andradas) o monumento remete simbolicamente à presença ancestral negra naquele espaço e ao deslocamento contínuo desta população desde ao menos o século XVIII configurando o espaço urbano a partir de uma leitura especial da cidade do ponto de vista de sua cultura e de estratégias de sobrevivência.


A Pegada Africana representa o conceito motriz do museu, ou seja, a ideia de percurso, de caminhada, ao mesmo tempo em que torna perene a presença negra em Porto Alegre. É a partir do pé negro naquele chão – Praça da Alfândega: antigo Largo da Quitanda e o mais importante cais da cidade – que se pode transmutar para os séculos XVIII e XIX onde negros escravizados chamados de escravos de ganho, que misturados a libertos, a fugitivos e quilombolas transitavam pelas ruas da capital, exercendo uma sociabilidade de encontros, informações e cultura. Aos locais marcados por esta presença no passado, a “Pegada” direciona a caminhada a outras representações contemporâneas do espaço urbano, como é o caso da Esquina Democrática, ou melhor, Esquina do Zaire, e o Largo Zumbi dos Palmares, entre outros. A escultura, fruto da juntada de pedras pretas quando a Praça da Alfândega estava sendo restaurada por operários de maioria afro-brasileiros, é a marca da presença negra em percursos atuais, como o roteiro de artistas que era liderado pelo poeta Oliveira Silveira e outros, realizados por grupos de religiosos. A Pegada, simbolizada na prática de realizar percursos a pé, é uma das expressões e constituição da identidade negra em Porto Alegre. Os laços com a África ancestral não estão somente na forma do monumento, mas no conjunto de árvores e flores da Praça. Explica-se: A “Pegada” foi executada para interagir com a coloração natural na primavera (quando foi inaugurada), ou seja, o verde (árvores), o amarelo (flores dos ipês) as pedras vermelhas e as pretas configuram as cores e a bandeira do pan-africanismo.

.


Referências:


VARGAS, Pedro R. O Museu de Percurso do Negro em Porto Alegre ou, para muitos, a surpreendente história de um museu que não parece museu dedicado a um gaúcho que não é percebido como gaúcho. In: RAMOS, Jeanice D; VARGAS, Pedro R; SOUZA, Vinicius V. Museu de Percurso do Negro em Porto Alegre: etapa IV. Porto Alegre, Editora Porto Alegre: 2015


SOUZA, Vinicius Vieira. Artes Visuais de Referência Afro-brasileira no espaço público de Porto Alegre. In: RAMOS, Jeanice D; VARGAS, Pedro R; SOUZA, Vinicius V. Museu de Percurso do Negro em Porto Alegre: etapa IV. Porto Alegre, Editora Porto Alegre: 2015


MARAFIGA, Valéria Z. Arte como lugar de memória: uma reflexão sobre o Museu de Percurso do Negro em Porto Alegre. UFRGS, Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação em Artes Visuais. Porto Alegre, 2021


48 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page